Disfunção erétil

A DISFUNÇÃO ERÉTIL É PIOR DO QUE VOCÊ IMAGINA.

Hoje é muito comum a automedicação para disfunção erétil, pois os pacientes se sentem constrangidos em procurar ajuda. Tal atitude pode estar mascarando sintomas importantes relacionados a problemas cardiovasculares.

A disfunção erétil pode se desenvolver anos antes de o homem apresentar sinais ou sintomas de eventos cardiovasculares.

É um problema comum e acomete cerca de 50% dos homens após os 40 anos. O sedentarismo, a obesidade, o tabagismo, diabetes e hipertensão aumentam o comprometimento do fluxo sanguíneo levando à disfunção erétil.

É como um sinal de aviso de que problemas mais graves estão ocorrendo. A artéria peniana é muito mais estreita do que a artéria coronariana, portanto tem mais chances de sofrer efeitos visíveis nos estágios iniciais da aterosclerose.

Se o seu desempenho sexual não está satisfatório, provavelmente você pode estar apresentando problemas mais sérios. É hora de procurar ajuda para fazer o diagnóstico correto e tratá-lo da melhor maneira possível.

Fatores de risco para a Disfunção Erétil:

  • Níveis reduzidos de testosterona;
  • Doenças tireoidianas;
  • Uso de medicamentos para hipertensão e depressão;
  • Distúrbios do sono, estresse, ansiedade e tabagismo;
  • Aumento da prolactina;
  • Ingestão de bebidas alcoólicas;
  • Uso de beta bloqueadores, anti-histamínicos e anti-inflamatórios.

Como a disfunção erétil e doenças cardiovasculares estão intimamente relacionadas, a melhora do estilo de vida com alimentação adequada e atividade física são indicadas neste caso.

O diagnóstico correto e o tratamento individualizado são a melhor opção.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
× Agendar Consulta